terça-feira, 15 de agosto de 2017

Projeto Quebrando o silêncio



Título do projeto: Quebrando o Silêncio em busca da paz
Tema: Violência
Elaboração: Maria Umbelina Marçal Gadelha
Responsáveis pela execução: gestão, coordenação e professores
Público Alvo: alunos da escola
Execução: segundo semestre


APRESENTAÇÃO

            Este projeto começa a ser trabalhado com este título “quebrando o silêncio”, a partir deste ano de 2017, inspirado no projeto desenvolvido na América Latina pela Igreja Evangélica Adventista do Sétimo Dia.
Até o ano anterior, trabalhávamos com temas como Bullying, violência doméstica, agressão física e verbal, setembro amarelo etc., separadamente, porém este ano a equipe decidiu unificar todos os temas em um único projeto e assim, além do trabalho de prevenção e combate a violência que já ocorre, visa-se incentivar o público alvo a falar sobre o assunto, pois acreditamos que quando a pessoa agredida se sentir segura para quebrar o silêncio, sentir-se-á igualmente forte para denunciar e procurar a ajuda necessária para enfrentar o problema.

1.    JUSTIFICATIVA

A violência é hoje uma preocupação da sociedade, e atinge a vida e a integridade das pessoas e está presente nos lares, na escola e em todos os lugares assumindo proporções tais que, na maioria das vezes, não sabemos que medidas tomar para sanar este problema.
Partimos do princípio que a educação é um processo que implica transformações, mudanças, atitudes, e que há uma necessidade urgente de mudança de hábito e atitudes em nossas casas, escolas e sociedade. Então por sabermos que esse tema é de essencial importância, a escola promoverá situações que possibilitem a comunidade escolar refletir sobre a proposta de falar sobre a violência de vários tipos (violência doméstica, contra a mulher e contra o idoso, psicológica; assédio moral, sexual e virtual; bullying; violência na internet; suicídio e automutilação).
O quadro de violência apresentado pela mídia diariamente é assustador. As principais vítimas são crianças, mulheres e idosos. Os dados da Organização Mundial de Saúde mostram que a violência responde por aproximadamente 7% de todas as mortes de mulheres entre 15 e 44 anos no mundo, chegando a 69% em alguns países. Há relatos de mulheres que afirmam terem sido agredidas fisicamente e 47% declaram que sofreram violência em sua primeira relação sexual.
No Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio (10 de setembro), a Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OMS) alertaram para este grave problema de saúde pública responsável por uma morte a cada 40 segundos no mundo. Segundo a organização, poucos países incluíram a prevenção ao suicídio entre suas prioridades de saúde e só 28 relatam possuir uma estratégia nacional para isso. (ONUBR, 2017).
A taxa de suicídio de adolescentes com idades entre 10 e 14 anos aumentou 40% nos últimos 10 anos e 33% entre aqueles com idades entre 15 e 19 anos, segundo o Mapa da Violência 2014. Todo dia, 28 brasileiros se suicidam e, para cada morte, há entre 10 e 20 tentativas. Médicos alertam que é um problema de saúde que não recebe tanta atenção por causa do tabu social. (GALILEU, 2014)
Sendo assim o projeto tem a finalidade mostrar a realidade e incentivar as crianças, adolescentes, jovens e adultos a quebrar o silêncio e orientar as vítimas para buscar ajuda dos órgãos competentes, e assim romper com o ciclo de violência, nutrido na maioria das vezes pela ignorância.
Assim, para combater esse mal é preciso trazê-lo a público, examiná-lo e dar a saída necessária. Nós como cidadãos devemos procurar a solução para este mal dando o primeiro passo que é a vigilância.

2.    OBJETIVOS
 2.1 Geral
Estimular no público alvo a mudança de atitudes e a formação de novos hábitos, no contexto escolar por meio do resgate de valores, autoestima e da construção da cultura de paz.

2.2 Específicos
Para a equipe gestora:
  • Identificar os focos de violência.
  • Criar espaços para discussão e reflexão sobre o tema e garantir que a instituição seja um local onde todos desejam estar.
  • Alertar a comunidade escolar quanto à necessidade de quebrar o silêncio e buscar junto aos órgãos competentes o apoio necessário.
  • Orientar as famílias, pais e filhos, educadores e alunos quanto aos seus direitos explicando sobre o tema.
  • Sensibilizar a população e principalmente ao público alvo sobre a importância de conter a violência, através do ensino de regras simples e eficazes de prevenção e sobrevivência ao abuso.
Para os professores: programar estratégias pedagógicas para o trabalho com valores e a resolução de conflitos por meio do diálogo.
Para os alunos: participar ativamente de momentos reflexivos e atividades que envolvem o resgate de valores e exercitar a tolerância, a solidariedade e a cooperação.

3.    PROCEDIMENTO

Trabalhar as turmas por temas. Cada turma pesquisará sobre os temas escolhidos pela equipe executora: assédio; bullying; violência na internet, suicídio e automutilação e outras formas de violência.

Desenvolvimento
1ª etapa – Diagnóstico ou identificação
Identificar os casos de agressão e fazer o levantamento das ocorrências no contexto escolar. Para essa tarefa, é necessário contar com a ajuda dos professores, dos funcionários e dos próprios alunos.
Portanto, adote uma postura de escuta e crie espaços que assegurem essa ação, onde todos possam compartilhar o que está afetando a boa convivência.
O levantamento deve levar em consideração a frequência e o tipo de situação, como agressões físicas ou verbais, ameaças, bullying, discriminações de todos os tipos e depredações. O resultado desse trabalho servirá para refletir sobre as estratégias a ser adotadas e discutidas com todos.

2ª etapa - Formação de mediadores de conflitos
É necessário que os coordenadores se envolvam nas atividades e que reúnam a equipe docente para discutir o mapeamento realizado.
Nesse encontro, a discussão deve-se embasar na leitura de textos escolhidos sobre a violência.  Em seguida fazer um levantamento com o grupo sobre as maneiras de identificar as causas das ocorrências mapeadas e de mediar os conflitos por meio do diálogo.
Escolher o professor ou colaborador para assumir o papel de mediador. O objetivo dessa etapa é preparar os docentes para lidar com as situações de violência na escola e preveni-las.
Uma sugestão é incentivar que valores sejam trabalhados em sala de aula em atividades de reflexão e trabalhos em grupo, durante os quais os estudantes exercitam a cooperação, o respeito e a solidariedade com os colegas.
Enfatizar que a instituição deve ser um lugar agradável, onde todos são respeitados por suas diferenças e compreendidos em suas dificuldades. No decorrer do projeto outras reuniões para tratar do tema devem ser agendadas para que o trabalho realizado seja constantemente avaliado e novas estratégias sejam pensadas.

3ª etapa - Monitoramento
Acompanhar o clima escolar. Reunir os professores periodicamente para saber como os conflitos têm sido desenrolados e mediados e se estão sendo respeitados. 
É importante que não se deixe de manter a postura de escuta para reclamações ou sugestões propostas por alunos, professores e funcionários.

4ª etapa - Ações sugeridas
  • Assistir aos filmes ”O silêncio de Lara” e “Bullying  – provocações sem limites”, ou outros filmes que falem sobre o tema, em seguida formar uma roda de conversa com os alunos.
  • Convidar profissionais como: psicólogo, promotor da Infância e Juventude e representantes de pastorais e/ou entidades religiosas (padre e/ou pastor) para ministrar palestras que enfatizem o abuso e outras formas de violência para pais, professores e alunos visando à sensibilização destes sobre a importância de se quebrar o silêncio.
  • Fazer uma caminhada com faixa, cartazes e carro de som, saindo da escola com parada na praça principal da cidade para performances e distribuição de folders explicativos visando a conscientização da comunidade.
  • Os alunos apresentam campanhas e palestras para alunos de outras escolas e/ou grupo de jovens.

5ª etapa- culminância
Apresentação de performances, teatro, música e dança.

4.   CRONOGRAMA

ATIVIDADES
2017
MAIO
JUNHO
JULHO
AGOSTO
SETEMBRO
OUTUBRO
Escolha do tema
X





Levantamento de dados
X
X




Elaboração do projeto


X



Apresentação do projeto



X


Sensibilização



X


Caminhada



X


Desenvolvimento



X
X

Palestras



X
X

Culminância 





X
Avaliação do projeto





X

5.   AVALIAÇÃO 

A equipe executora do projeto compara os resultados mapeados e com os dados em mãos, analisa se as ocorrências diminuíram e se alguém se estimulou e quebrou o silêncio. O projeto de prevenção e combate à violência e de quebra do silêncio dever ser continuo, pois é permanente a vigilância em observar se todos têm se comprometido na criação de uma cultura de harmonia e paz na escola.
E a cada ano adotam-se de acordo com a necessidade novas estratégias de prevenção e resolução de conflitos.

REFERÊNCIAS

ARIANNE. Quebrando o silencio. Disponível em: <https://umbelinagadelha.blogspot.com.br/> Acesso em: jul. 2017.
COMBATE A VIOLÊNCIA. Disponível em: < https://gestaoescolar.org.br > Acesso em: Jun. 2017
DOWNLOADS DE MATERIAIS ADVENTISTAS. Divisão Sul-Americana. Disponível em: < http://downloads.adventistas.org/> Acesso em: Jun. 2017.
FONTENELLE, Paula. Estatísticas mundiais.<https://www.prevencaosuicidio.blog.br/> Acesso: jun. 2017
GALILEU. 6 sinais de comportamentos suicidas. Disponível em: http://revistagalileu.globo.com/Acesso em jun. 2017
LIVRE ABUSO. Abuso sexual. Disponível em< https://www.livredeabuso.com.br/> Acesso e jun. 2017
MENDONÇA, Renata. Como identificar possíveis sinais de abuso sexual em crianças? Disponível em: < http://www.bbc.com/> Acesso em: jun. 2017
ONUBR. OMS: suicídio é responsável por uma morte a cada 40 segundos no mundo. Disponível em< https://nacoesunidas.org//> Acesso em jul. 2017
QUEBRANDO O SILÊNCIO. Adventistas org. Disponível em: <http://quebrandoosilencio.org/> Acesso em: maio 2017.
WIKIPEDIA. Violência. Disponível em:< https://pt.wikipedia.org/> Acesso em: maio 2017


MATÉRIAS IMPORTANTES

21 perguntas e respostas sobre bullying. Disponível em: https://novaescola.org.br/
7 tipos de assédios mais comuns sofridos pelas mulheres em público.
Assedio moral.  Disponível em: https://pt.wikipedia.org/
Assédio psicológico. Disponível em: http://www.avbdesign.com/
Bullying. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Bullying
Automutilação. Disponível em: https://oglobo.globo.com/
Livre de abuso Disponível em: https://www.livredeabuso.com.br/blog
Tipos de assédio. Disponível em: https://noticias.bol.uol.com.br/
Violência doméstica e familiar. Disponível em: http://www.agenciapatriciagalvao.org.br/d

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Realismo












































Caríssimos alunos.
eis o resumo da aula. Bom proveito


·         Antes do Realismo os temas se limitavam a fatos do mundo moderno; reproduzidos perfeitamente, mas sempre idealizados e teatrais.  Com o Realismo os temas eram representados com sobriedade, camponeses e classe trabalhadora urbana ao invés de deuses, deusas e heróis da antiguidade; o que era real e palpável.
·         O Realismo é um estilo de época que predominou na segunda metade.
·         Entre 1850 e 1900 surge nas artes europeias, sobretudo na pintura francesa, uma nova tendência estética que se desenvolveu ao lado da crescente industrialização das sociedades. O homem europeu, que tinha aprendido a utilizar o conhecimento científico e a técnica para interpretar e dominar a natureza convenceu-se de que precisava ser realista, inclusive em suas criações artísticas, deixando de lado as visões subjetivas e emotivas da realidade. São características do Realismo  cientificismo, valorização do objeto, sóbrio e o minucioso, expressão da realidade e dos aspectos descritivos.
·         São as características da pintura realista: representação da realidade com a mesma objetividade com que um cientista estuda um fenômeno da natureza, ou seja, o pintor buscava representar o mundo de maneira documental; ao artista não cabe "melhorar" artisticamente a natureza, pois a beleza está na realidade tal qual ela é; revelação dos aspectos mais característicos e expressivos da realidade.
·         Gustave Courbet foi considerado o criador do realismo social na pintura porque procurou retratar em suas telas temas da vida cotidiana, principalmente das classes populares. E manifesta sua simpatia particular pelos trabalhadores e pelos homens mais pobres da sociedade no século XIX.
·         O primeiro artista a incluir na arte pessoas discriminadas na época, como mulheres e os negros foi Eakins
·         Auguste Rodin - não se preocupou com a idealização da realidade. Ao contrário, procurou recriar os seres tais como eles são. Além disso, os escultores preferiam os temas contemporâneos, assumindo muitas vezes uma intenção política em suas obras. Sua característica principal é a fixação do momento significativo de um gesto humano. Algumas obras: O pensador, O beijo e os burgueses de Calais.
·         Na arquitetura realista os arquitetos e engenheiros procuram responder adequadamente às novas necessidades urbanas, criadas pela industrialização. As cidades não exigem mais ricos palácios e templos. Elas precisam de fábricas, estações, ferroviárias, armazéns, lojas, bibliotecas, escolas, hospitais e moradias, tanto para os operários quanto para a nova burguesia.
·         Em 1889, Gustavo Eiffel criou a  torre Eiffel, importante cartão postal da “Cidade Luz”,  é o logotipo  de Paris..
·         A comédia realista foi chamada de “comédia” porque tinha sempre um final feliz.
·         O teatro realista tinha como parâmetro estrutural a identificação emocional do espectador com a história da obra.
·         A  expressão quarta parede usada no teatro realista representa uma divisão imaginária entre o público e os atores. 

Pesquisar aqui

Frase do dia